OMG

As abreviações utilizadas no dia-a-dia em e-mails, sms e chats estão realmente se incorporando ao vocabulário geral. Às vezes chegamos até ler um “vc” em e-mails formais corporativos. Pois bem, uma marca americana, chamada Spoken Cloth resolveu lançar uma série dedicada à expressão OMG, que é a abreviação de “Oh my Gosh!” e que segundo o dicionário on line bab.la seria a nossa expressão “Ai meu Deus!!!”.  É legal ver como aos poucos a linguagem muda e se torna mais simples e direta.

A Arte de Blee

Navegando na rede, olhando os mesmos sites de sempre, me deparei com um artista muito interessante chamado Billy Allison, mais conhecido como Blee. Ele assina como animador, mas tem um belo acervo de ilustrações para camisetas que você confere em seu site.

Dentre várias referências a games e filmes, gostei especialmente desta em que ele ilustra o Coelho Oswald e o Alien, dando ao monstro um traço Disney.

Divulgação

Sublimação

Que tal aprender um pouco sobre o processo de sublimação digital? Confiram então este post feito por Luiz Cláudio Elias Britto Lima no blog Industria Textil e do Vestuário – Textile Industry – Ano IV:

http://textileindustry.ning.com/profiles/blogs/processo-de-sublima-o-digital?goback=%2Egde_3275390_member_118856188

Aliás, este blog é sem dúvida o melhor atualmente voltado para temas da indústria têxtil e de confecções.

Uma boa semana a todos!

 

Camiseta pela paz no Futebol

A 98fm entrou em parceria com a Tribuna para uma campanha contra a violência nos estádios de futebol, que frequentemente vem se repetindo nos jogos do Coxa contra o Atlético Paranaense.

Entre os pontos da campanha está uma camiseta, autografada pelos jogadores de ambos os times, que foi doada ao hospital Pequeno Príncipe.

Mais informações: http://www.portaldapropaganda.com.br/portal/component/content/article/16-capa/30318-tribuna-e-98fm-realizam-acao-paz-torcida-de-todos

Guitarra na Camiseta!

Já imaginou poder tocar guitarra na sua própria camiseta?! Houve quem imaginou, e ainda por cima botou a ideia em prática! A chamada Eletronic Rock Guitar Shirt vem até com um amplificador, deixando o som mais fiel ao do instrumento.

Claro que não deve fazer “aquele” som, por que a “guitarra” só tem uma corda. Mas só o fato de terem feito uma interação dessas com uma camiseta já torna essa criação algo, no mínimo, interessante.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: www.thinkgeek.com

 

Rangers! É hora da Morfina!

Enfrentar monstros por aí e salvar o dia pode acabar com qualquer um. Olhe o que aconteceu com o Ranger vermelho… esse já não aguenta mais morfar.

O Design da estampa é de Stuart Day, que disse usar a mesma frase que falava quando era criança para zoar o “It’s morphin time” (“É hora de morfar!”) dos Power Rangers.

Site promove concurso de estampas baseadas em Vila Sesamo

Aqui no Brasil, a Vila Sesamo parou de passar na Tv ainda nos anos 70, mas a sua versão original, a Sesama Street, já alcançou a marca de 40 temporadas na televisão norte-americana.

É um programa bastante popular nos EUA, o que motivou o site threadless.com a fazer um concurso de ilustrações para estampas baseado nele.

Infelizmente o tempo para mandar suas ilustrações já acabou, mas vale a pena ver o nível das imagens enviadas pelos fãs para o concurso. Quem sabe não rola uma inspiração para mandar fazer a sua própria camiseta?

Acesse:

http://atrium.threadless.com/sesamestreet/

Geração Gamer

Quando eu era mais novo, mais precisamente na fase dos 15 e 16 anos, era comum ver pessoas com camisetas pretas estampadas com suas bandas de rock preferidas. O rock não tinha tanto espaço no rádio (o que até hoje não mudou), mas era bem popular entre os jovens por conta da internet e da mtv, que teve lá seus tempos de glória.

imagem retirada do site www.girlsofwar.com.bAs camisetas eram de material barato, as estampas não duravam muito, custavam de 10 a 15 reais, mas ninguém estava nem aí. A diversão estava em mostrar pra todo mundo que era fã de tal banda e dizer para os chefões da mídia que aquele estilo musical era bem mais rico e interessante do que aquele que eles promovem.

Mas, como todo fenômeno cultural, as coisas vão mudando. O Rock n’ Roll não tem mais a mesma força que tinha. Percebi isso dando uma boa olhada nas antigas lojas de camisetas de bandas, que hoje apresentam um catálogo muito mais colorido, e nas sua maioria, estampadas com personagens de videogames e desenhos japoneses.

É seguro dizer que os videogames são “o novo rock n’ roll” em um contexto cultural. Se você der uma olhada na coleção de músicas de um adolescente, e este não for adepto da música sertaneja, pode ter certeza que vai encontrar desde o rock pesado até pop japonês, sem nenhuma restrição, um conhecimento musical que vem dos videogames, seriados de tv americanos e animes japoneses.

Os mais nostálgicos vão discordar, mas não creio que esta seja uma coisa ruim. O espírito da coisa continua alí. Jovens mostrando ao mundo suas preferências, que ainda são mal vistas pela grande mídia (ainda veem os videogames como influência de violência e animes são constantemente censurados na Tv brasileira), achando pretextos para novas amizades e botando mais cor na coisa. Afinal, quem aguenta luto o tempo inteiro?

fonte da imagem: http://www.girlsofwar.com.br

 

Memórias de Garagem

A Malharia Salete está apioando a peça Memórias de Garagem, do diretor Humberto Gomes. Faz parte da mostra Fringe do Festival de Teatro de Curitiba e a estréia foi um sucesso: platéia lotada! Não perca a oportunidade de prestigiar nesse fim de semana, o espetáculo será realizado em 7 e 8 de abril às 19 horas, 28 de abril e 20 de maio às 17 horas, no Teatro Cena Hum. Confira um pouco mais em Teia Notícias.